Seguidores

sábado, 20 de julho de 2013

Ouvi-te

 
 
 

 

 
Ouvi-te no som morto
                                     das águas planas
Encontrei-te no nunca
                                               do tempo ansioso por nascer
 

Agora
vejo-te no jardim da noite
onde o mocho
                                      pia o teu nome
                                     no lago dos segredos por dizer

 
Enxergo estátuas em ciprestes
beijo o abstrato da sombra
morrendo no abraço que deste

 
Porém
a música  que tocavas
                                          continua
                                           em paulatinos silêncios de alegria
                                que escrevo  na alma da lua
 
 
 
Manuela Barroso, in "Eu Poético"