Seguidores

segunda-feira, 5 de setembro de 2022

Longe...

 



 

Longe, 
espraia-se a paisagem nua de luz no encanto da planície 
onde se agitam  repuxos de perfumes  silenciosos 
de violetas selvagens,
no baloiço inquieto da aragem.  


Texto e imagem
Manuela Barroso

 



sábado, 14 de maio de 2022

Abro os olhos



 



Abro então os olhos e sinto quão grande

é a beleza deste cântico que sepulta a minha alma

num leito verde e florido, num eflúvio  que abarca

todos os sentidos e mata esta sede de abraçar os sons

deste Poema feito Vida e Mundo, Terra e Flores e Pássaros .


Texto e imagem

Manuela Barroso



terça-feira, 26 de abril de 2022

Abandonas-te


 

Abandonas-te na imensidão do crepúsculo

e de novo deixas em cada viagem o sol-pôr da saudade.


Manuela Barroso

(Imagem e texto)



domingo, 17 de abril de 2022

Páscoa Feliz




"Ser incréu custa muito! É dia de Páscoa. O gosto que eu teria de beijar também o Senhor, se acreditasse! Assim, olho a fé dos outros em aleluia, e fico nesta tristeza agnóstica que faz da vida uma agónica aventura sem esperança de ressurreição." 

 

(Miguel Torga, Diário XIII. Texto escrito em 15 de Abril de 1979)





Se a Tua existência não sensibilizou o coração dos Homens

que a Tua morte os desperte para o mistério da Vida.


Manuela Barroso



Feliz Páscoa para Todos/as

Manuela barroso


sábado, 22 de janeiro de 2022

Nó ou Escape?


 

Um nó ou um escape?

Não adianta a fuga se não há outro refúgio. Ou haverá? Talvez haja refúgios. Ou para  fugir ao pesadelo, ou para procurar a paz, ou como esconderijo. Mas aqui já não é refúgio. É prisão.É a miserável condição de falta de liberdade. Ou in-justiça? Os justos não temem e sofrem menos por terem a inocência a seu lado; os injustos são os errantes , cedo ou tarde dormirão na teia que teceram.

E vive-se neste nó que não nos pertence mas que nos sufoca . E fazemos parte dele. Não podemos fugir porque nos ata.Oprime.

E se pudéssemos escapar?

E voltamos ao refúgio/ esconderijo dos indigentes de paz.Frio. Vazio

Mas queremos o REFÚGIO, o nosso refúgio por que lutamos, pelo refúgio construído e idealizado por nós, pelo nosso trabalho e construído pelos nossos sonhos. Sonhos cada vez mais pesadelos que amordaçam os dias cada vez mais acelerados . Será possível ainda o sonho?

Será esse o túnel por onde sairemos à procura de luz.


Imagem e texto de

Manuela Barroso



sábado, 8 de janeiro de 2022

Aguarela

  


Quando te assaltarem os escombros do ruído sem sentido e as sombras te arderem nos olhos, busca a música que ressoa dentro de ti, procura a embrieguez do sol da tarde e lê o respirar dos morcegos e os rumores dos insectos.
Não te preocupes com a trajectória. Repara nos desenhos "desordenados" no poente e nesta aguarela tão simples, tão quente.


Manuela Barroso