Seguidores

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Simplicidades-Férias



De tanto sol, o tempo sorri.
A Natureza nos  chama.
Dizemos que é tempo de férias, tempo de pausa, tempo de lazer, tempo de nada fazer...
Procura-se os lugares mais exóticos, explorando outras belezas noutras paragens.
"Muda de lugar pelo menos uma vez em cada ano"- diz Dalai Lama
E parte-se em busca de um chão que dá flores e pão que não é igual ao nosso...
Também pensei assim quando ao imaginar outro horizonte, veria nuvens diferentes com contornos acesos e vivos


Mas as nuvens só mudavam com  os caprichos  dos ventos ou com as cores mais cansadas da tarde.
A minha terra começava a ser dos emigrantes a fugir da saudade. Eu esquecia a saudade no torpor da rotina . Porém as casas toscas, velhas, "démodées" e abandonadas começaram a dar outro colorido a lugarejos vestindo- se de gente. 




E nasciam pedaços de céu .
Comecei a perder-me no tempo e o tempo já não não fugia de mim.
Em cada canto, um poiso onde me refugiava na contemplação das pedras, e dos homens que fizeram este poiso onde pousava eu, agora os tédios e os convertia em louvores às mãos que me proporcionaram este recanto

  Até a saudade do granito da minha Serra se fazia presente num tosco fontanário, lembrando as águas que corriam junto aos valados, onde me perdia, catando morangos silvestres...ao som do cantar dos grilos...

 Sob um dossel verde em tranças de glicínias, mesas toscas onde eu satisfazia o meu desejo instintivo de me distender, ora nos bancos segurando o perfume das flores, ora ocupando  toda a mesa  como que numa libertação que antes me  prensava.
As páginas do meu livro iam correndo moles, sob a quietude da sombra que me abrigava do bulício dos pardais.
Queria olhar o nada. Esquecer. Fazer parar o tempo.


Com o conforto que a sociedade  de hoje exige, assim era a "minha casa",  neste pedaço de sopé não tão verde como o meu Minho, mas onde já matava saudades. As pedras toscas sobrepostas e roçadas pelos pinheiros, davam o ar "négligé" a que o ar da montanha convida.
E o bichano, recostado no seu banco de pedra, completava o cenário campestre, que aos poucos se vai esquecendo.
Conforme o dia ia descendo, os contornos reflectiam-se no espelho de água da piscina natural. As libelinhas iam pousando nas margens em contra-dança com as borboletas. Tudo era tão pacífico que me perdia mergulhada no tão pouco que me era tanto! 


Os pinheiros recortavam-se na noite que se fazia anunciar . 
Nada bulia naquele fim de tarde sereno .
Dentro de mim descia também a noite. A nostalgia da infância crescia, sufocando-me...
Os mochos piavam , os morcegos contorciam-se neste anoitecer , atravessando o ar  onde flamejavam insectos. 


...Deitada na rede, balançava-me na frescura da noite, ouvindo grilo e ralos numa miscelânea de cores de velas mortiças como um poema que dorme...
No silêncio desta balada, perdia o pensamento na vastidão do brilho acutilante das estrelas nesta escuridão.
Sempre na inquietação  deste Eu em constante peregrinação.
O Vazio chama-me. A Fonte me acalma
Num areal luminoso ,  acende-se a lua .
E como que num derradeiro cântico  ao dia que finda, a memória da Cruz, escrita na noite, decorando a paisagem nocturna.


Manuela Barroso


A todos os meus votos de Boas Férias




20 comentários:

✿ chica disse...

Que espetáculo de palavras, sentimentos e fotos,Manuela!Adorei! Boas férias! bjs, chica

Carmem Grinheiro disse...

Olá, Querida Manuela.
Gosto dessa ideia de partir em busca de um "pão que não é igual ao nosso", e há pão tão bom à espera de ser descoberto, em cada canto deste Portugal, amante do bom-pão.
Tão bom soltarmos a alma na paisagem, à espera de nada, longe do tempo, pertinho do que apraz o coração ;)

bjn amg e férias bem boas

Anajá Schmitz disse...

Lindos lugares e belíssimas mensagens.
Bjos e boas férias.

Ana Bailune disse...

Olá, Manuela.
Duplos parabéns: texto e imagens perfeitas.

Roselia Bezerra disse...

Boa noite, querida Manuela!
Meu tempo parou por aqui numa postagem encantadora... como lhe é peculiar...
Cada imagem de dar água na boca, de dar vontade de nela estar e fiquei contemplando para amenizar preocupações e ansiedades cotidianas...
Foi uma beleza pro espírito e pro corpo também, certamente!
Bjm muito fraterno

Aleatoriamente disse...

Passei contigo em cada recanto e encanto.
Tantas belezas, tantos um quadro teu e de outros olhos.
Penetrar nos recantos e encantos da vida, é saber dançar com ela sua mais bela canção. Na poesia e nas pontas de teus dedos, saem a vivência... Belezas que encantam e aguçam o desejo de caminhar entre os teus caminhos, tuas lembranças e tuas calçadas.
Lindo post.
Lindo, lindo...
EAT. Beijinho

Toninho disse...

Um belo canto de uma saudade,
de um tempo que vem roubar as
nossas melhores lembranças de
um tempo feliz de idade, que
ficou para sempre na memória.

Boas e feliz férias amiga.
Meu carinhoso abraço.
Bjs de paz e luz no coração.

Benó disse...

Belo passar por aqui. O meu desejo de boas férias. Até Setembro/Outubro.

Graça Pires disse...

Umas imagens excelentes completadas por um maravilhoso texto que li e reli. Fizeste um poema em prosa e viajei contigo pelas palavras do espanto...
Um beijo, Manuela.

A Casa Madeira disse...

Belíssimas imagens;
Boa continuação de semana.
janicce.

Ana Freire disse...

Que texto maravilhoso, Manuela...
E ainda que o tempo não volte para trás... podemos sempre visitar os lugares em que fomos felizes, e nos deixaram saudades... haverá quem defenda que nunca se deve voltar aos lugares onde fomos felizes... mas sinceramente, não tenho uma opinião assim tão radical... às vezes há necessidade de reavivar e reviver boas memórias...
Imagens lindas, de um Portugal profundo... que se sente cá dentro... bem diferente... das nossas cidades despovoadas de afectos, subjugadas à pressa do dias... e em que cada recanto sempre nos recorda que o nosso eu primordial, sempre esteve ali...
Adorei o post, Manuela!
Deixando-lhe um beijo e um abraço apertado, por estes dias, em que também estarei ausente... conto estar de volta lá para o início do mês de Setembro... aos pouquinhos... mas só farei publicações mais regulares mesmo, lá para os meados de Outubro...
Tudo de bom, e até breve! Boas férias!!!!
Ana

Roselia Bezerra disse...

Boa Tarde, querida Manuela!
Boas férias! Descanse e curte tudinho...
Lindas imagens dos locais tão belos!
Bjm muito fraterno

Aleatoriamente disse...

Ah que beleza "passear" contigo neste texto e imagens.
Imagens belas, e texto tão acolhedor, poético...
Manu querida, tão querida boas férias meu amor.

Beijos
EAT

Duarte disse...

Que ambiente tão bonito, e que maravilha de fotografias!
Levaste-me até às terras de Quires daqueles tempos passados e nos que fui imensamente feliz.
Era um ambiente similar, essas casas de pedra, como a do meu avô.
E que dizer da narração, extraordinaria, o que me aproximou ainda mais a tempos idos.
Não catava morangos, mas sim amoras e malapios. As cores da tarde desfaleciam por minutos entre o campo de camomilas e o monte agreste.
Abraços de vida, querida amiga.

Mariazita disse...

Querida amiga Manuela
Tencionava retornar só em finais de Setembro mas a minha filhota requisitou a minha presença mais cedo... e aí vim eu a correr :)))
E já que cá estou aproveito para visitar, aos poucos, as amigas.

As tuas palavras envolveram-me como uma canção de embalar.
Que lindo texto!
E que fotos maravilhosas!
Sabes? eu adoro o Norte. Vivi no Minho a minha infância, rodeada de verde e granito, e ao ver imagens como as que publicaste invade-me uma nostalgia enorme.
Adorei TUDO!

Continuação de boa semana.
Beijinhos
MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

Ana Freire disse...

Passando por aqui, deixando um beijinho e estimando uma rápida recuperação, Manuela!
Que tudo corra pelo melhor!
Bom fim de semana, na medida do possível!
Ana

Jaime Portela disse...

Ainda não tinha visto este teu post. E fiquei maravilhado com várias coisas: com as fotos (magníficas), como o sítio (que é lindo) e com o teu excelente texto (um verdadeiro poema do princípio ao fim).
Parabéns pela qualidade deste teu post, de resto habitual nas tuas publicações (és uma mulher competente e com muito bom gosto...).
Manuela, querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

A.S. disse...

Belos e inspiradores lugares...
Lugares que vão permanecer indeléveis na tua memória, na tua vida!
Ninguém resiste ao apelo das raízes!...
Parabéns pelo magnifico texto e pelas belas fotos!

Beijo,
AL

Ailime disse...

Boa noite Manuela,
Um paraíso... Um paraíso é o que é a sua terra!
Magnífico texto poético e fotos!
Beijinhos,
Ailime

Teresa Almeida disse...

Belo local! Onde?

Voltei para viajar contigo nas palavras que me identificam nos lugares e nas emoções.
Parabéns, minha amiga.

Abraço imenso