Seguidores

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Ampulheta


 Imagem da net
Nesta ampulheta da vida que corre
neste som do silêncio que magoa
nesta cor azul que acalma
neste piar dos pássaros
            que ecoa

corre o tempo
atrás do futuro
numa incerteza
que morre      
lenta
no escuro.
                       
Manuela Barroso,”Inquietudes” Edium Editores





15 comentários:

AC disse...

Manuela,
Apesar de tudo, uma inquietude com alguns tons de azul, com pássaros ao fundo... Há vida!

Um beijinho :)

Benó disse...

Som do silencio que magoa. E há silêncios tão dolorosos.
Gostei muito, Manuela.

Gracita disse...

Correr em busca do futuro é viver na incerteza
Melhor curtir o momento presente com seus silêncios,
sua bela tonalidade azul, sem preocupar-se com a velocidade
que a areia desce na ampulheta
O tempo é voraz e não atrás!
Um poema belíssimo querida Manuela
Uma semana de paz e bênçãos
Um super beijo

✿ chica disse...

Poesia muito linda e o tempo á danado mesmo...Voa ! bjs, lindo sempre aqui! chica

Toninho disse...

E corre-se muito e o tempo como só ele,
fica a nos espiar e no vento uma canção,
acalma filho,acalma filho.Olhe tempo hoje.
Belo trabalho poetisa amiga.
Abraços na bela semana.

Ana Freire disse...

Um fluir de palavras delicioso e encantador!...
Um poema adorável! Gostei imenso!
Beijinhos
Ana

São disse...

O tempo corre...ou nós é que não paramos?

Bons sonhos

Jaime Portela disse...

O tempo corre mesmo para o futuro. E nunca o apanha...
Mais um poema de excelência. Gostei imenso.
Tenha um bom resto de semana, querida amiga Manuela.
Um abraço.

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Neste tempo que corre e neste silêncio que magoa, vamos trabalhar para mudar para o silêncio que fala de amor e que faz o tempo parar na paz

Graça Pires disse...

O silêncio. A mágoa. A inquietude. E o tempo que tecendo e destecendo os dias. Que belo poema, Manuela.
Um beijo.

Existe Sempre Um Lugar disse...

Bom dia, o poema é lindo com enorme alcance, a foto é magica.
Bom fim de semana.
AG

As Mulheres 4estacoes disse...

O futuro é sempre incerto, o melhor dia é o hoje.
Um abraço, Sônia.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Uma inquietude mas suavizada.
Desejo que a amiga se encontre bem.
Bom fim de semana.
Bj.
Irene Alves

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga Manuela

Perdoe-me a ausência.
Final de ano, para quem ensina
o tempo fica curto,
mas estamos sempre visitando
espaços preciosos que nos fazem tão bem.

Gostaria de convidá-la a visitar o meu blog
www.sonhosdeumprofessor.blogspot.com
onde postei uma entrevista que fiz recentemente
e que está sendo vinculada na mídia de Fortaleza.

É também uma forma de entender a forma
que penso a Educação que acredito
e a qual dedico a minha vida.

Um imenso abraço.

Aluísio Cavalcante Jr.

A.S. disse...

Um poema que nos interoga sobre a imutabilidade do tempo.
Será que o tempo passa, ou seremos nós que passamos pelo tempo?
Tendo a convergir com a segunda hipótese!

Beijo,
AL